YouTube Insights 2017 – Comportamento dos usuários do YouTube no Brasil

O YouTube divulgou estudo, baseado em algumas pesquisas, que traz insights sobre o comportamento dos seus usuários. Segundo o relatório, no mundo, 1,5 bilhão de pessoas logadas acessam o YouTube todo mês e passam mais de uma hora por dia no mobile assistindo a vídeos na plataforma. No Brasil o crescimento é espantoso: a plataforma cresceu 54% em 2 anos e ganhou 35 milhões de novos usuários. Hoje são 98 milhões de pessoas conectadas, sendo que 95% da população brasileira online acessa o YouTube pelo menos uma vez por mês.

Vamos destacar abaixo alguns dados e fazer uma breve análise sobre eles:

  • Quem consome música, gastronomia, moda & beleza, gaming e futebol no YouTube acredita que ele é o melhor lugar em toda a internet pra assistir a vídeos de seus interesses. Isso é 3x mais que em TV aberta e 2x mais que em redes sociais.

Duas razões podem explicar os dados acima: exclusividade e vídeo sob demanda (vod).

Você sabe o que é gameplay? São vídeos de games onde um jogador dá dicas ou analisa um jogo. Esses vídeos são uma febre entre o público jovem. Sabe onde se assiste este tipo de vídeo? No YouTube. E a maioria deles não se encontra em outro lugar. A exclusividade vale para vídeos de outras categorias também, como gastronomia ou moda & beleza. Mas vamos analisar também a facilidade do vídeo sob demanda. Se quero assistir aos gols do meu time eu ligo em um canal de esportes e fico esperando pelos gols ou procuro no YouTube? Se quero assistir a um vídeo que ensine a fazer bobó de camarão eu ligo em um programa de culinária ou procuro no YouTube?

  • YouTube também é escola. Para 31%, a plataforma é uma fonte de aprendizado.

A análise aqui é a seguinte: se 31% consideram os vídeos do YouTube como fonte de aprendizado, os outros 69% aprendem sem perceber. Isto porque muitas pessoas só relacionam a educação com a aprendizagem formal, ou seja, com cursos. Será que toda a audiência de gameplay se dá conta de que está aprendendo com os vídeos ou acha que é apenas entretenimento? Na verdade pode ser os dois! Você pode saber mais sobre aprendizagem informal no artigo Educação informal nas empresas: como fazer desenvolvimento fora da sala de aula.

Dentro de uma estratégia de marketing de conteúdo ou inbound marketing, o YouTube pode ser uma excelente solução para o conteúdo educativo das marcas. Você pode aprender mais sobre esta oportunidade para empresas no artigo Vídeo online para empresas e o marketing de conteúdo.

  • 40% costumam assistir a vídeos de tutoriais; 83% aprenderam a fazer algo novo nos últimos 6 meses graças aos vídeos do YouTube; 79% concordam que é melhor assistir a tutoriais no YouTube do que ler instruções.

Esses dados comprovam minha teoria descrita acima de que muitas pessoas aprendem sem perceber. Bastariam os 40% que assistem tutoriais, pois já é superior aos 31% que consideram a plataforma como fonte de aprendizado. Porém, temos incríveis 83% que afirmam ter aprendido a fazer algo novo graças ao YouTube. Este número reforça a importância de investir em vídeos que sejam úteis para seu público. Voltando aos tutoriais, acredito que este ainda é um formato pouco explorado pelas marcas. Boa parte deste tipo de vídeo é produzido por usuários comuns.

  • Quem assiste a afinidades é 1,3 vez mais propenso a comprar alguma novidade. Mas, antes de comprar, dá-lhe vídeo. 38% dos consumidores de afinidades no YouTube buscam assistir mais a vídeos relacionados à compra da categoria e cerca de 30% realizam uma compra.

Aquilo que ensina o Google no ebook ZMOT: Conquistando o momento zero da verdade (recomendo a leitura), que o consumidor pesquisa na web antes de comprar, vale também para vídeos. A jornada do cliente passa por se informar sobre seu problema e depois sobre os produtos que podem resolvê-lo. Dependendo da categoria e do produto, o vídeo pode ser muito mais atrativo e didático do que o texto, por exemplo.

  • O que os consumidores de afinidades no youtube consideram de maior importância em branded videos: 80% que divirtam/entretenham; 79% que mostrem como usar seus produtos; 75% que proporcionem uma maneira de aprender mais sobre um assunto.

Estes dados reafirmam a importância das marcas produzirem vídeos educativos, sejam sobre seus produtos, sua área de atuação ou sobre algo que ajude seu cliente. Mas o público do YouTube também dá muito valor aos vídeos que entretêm. Então, se puder unir aprendizado com entretenimento, excelente! Só não perca de foco os objetivos estratégicos de sua empresa: você precisa aumentar as vendas ou ganhar mais visualizações? Precisa aumentar a satisfação com seu produto ou ter mais likes no vídeo?

  • 68% dos usuários de afinidades no YouTube curtem ver propagandas que tenham a ver com o tema do vídeo ao qual vão assistir em seguida. 68% dos usuários de afinidades gostam de vídeos de propaganda que são curtos.

Este é um ponto polêmico porque o estudo não reproduz exatamente como foi feita a pergunta na pesquisa. E achar alguém que goste de ver propaganda antes do vídeo é tão fácil quanto achar alguém satisfeito com os políticos brasileiros.

Tentando imaginar como a pesquisa chegou nestes números, a primeira pergunta poderia ser: sobre os vídeos de propaganda que aparecem antes dos vídeos no YouTube, você prefere que eles tenham a ver com o tema do vídeo que você vai assistir? E a segunda pergunta poderia ser: sobre os vídeos de propaganda que aparecem antes dos vídeos no YouTube, você prefere que sejam curtos ou longos?

Então não se engane, ninguém gosta de ter seu programa interrompido na TV ou adiado no YouTube por causa de propaganda. Mas dependendo da propagada, a experiência do espectador pode ser pior ou melhor.

Conclusão: apesar de não ser nenhuma novidade para o brasileiro, o YouTube continua crescendo no país. A banda larga mais acessível e o aumento da rede 4G podem explicar o aumento no consumo de vídeo online. A tendência é que o YouTube se consolide como fonte de busca para conteúdo educativo e de entretenimento. Existe um espaço enorme para ser explorado pelas marcas e inserção de propagandas não é o único caminho. O investimento em um canal de marca com conteúdo perene, útil ao cliente e com foco no negócio deve ser a aposta de muitas marcas para os próximos anos.

Destacamos aqui apenas alguns itens que consideramos relevantes para as marcas. O estudo traz vários outros insights gerais e outros detalhados para as seguintes categorias: música, gastronomia, gaming, futebol e moda e beleza. Você pode ler o relatório completo em  https://www.thinkwithgoogle.com/intl/pt-br/youtubeinsights/2017


Você pode gostar também de: 5 Lições que as Marcas podem aprender com os Youtubers

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s